Poesia de aluna de São João da Barra representará o Brasil na Ópera Mundial da Ciência

0
16

Foto: Rede social

A poesia “A luz”, da estudante sanjoanense Rulyane da Silva de Almeida vai representar o Brasil na edição 2021 da Ópera Mundial da Ciência — Global Science Opera (GSO). O evento é coordenado pelo professor Oded Ben-Horin, da Universidade de Ciências Aplicadas da Noruega Ocidental, e será transmitido no dia 20 de novembro na plataforma do projeto no Youtube. Rulyane tem 15 anos e cursa o 9º ano no Centro Municipal de Educação Avançada (CMEA) de Mato Escuro.

Ela venceu o concurso promovido pelas secretarias municipais de Educação e Cultura e Meio Ambiente e Serviços Públicos. Sua poesia será traduzida para o inglês e apresentada em forma de coral pelos nove alunos que venceram as etapas preliminares em suas escolas.

No concurso promovido pela Prefeitura de São João da Barra, o segundo lugar ficou com Arthur Machado da Silva, 13 anos, aluno do 7º ano da Escola Municipal Manoel Alves Rangel, da Quixaba. Em terceiro ficou Flávia Maria Lopes Alves, 14, aluna do 9º ano do CMEA de Grussaí.

Eles vão compor o coral junto com os outros alunos finalistas do concurso: Amanda Manhães, 14, do 9º ano do CMEA Mato Escuro; Lívia Gomes, 13, do 8º ano da Escola Municipal Luiz Gomes da Silva Neto, de Enjeitado; Kayky Arruda, 13, do 8º ano da Escola Municipal Manoel Ducas de Brito, de Caetá; José Thalyson, 13, do 8º ano da Escola Municipal João Flávio Batista, de Cajueiro; Mirella de Azeredo, 15, do 9º ano da Escola Municipal Amaro de Souza Paes, de Grussaí e Maria Clara Pessanha, 13, do 8º ano da Escola Municipal Amaro de Souza Paes, de Grussaí.

Confira a poesia vencedora:

“A luz”

Se os pássaros perguntarem
Quem ofusca as estrelas que na escuridão somem?
A natureza responde:
Homem… homem… homem

Não sei mais diferenciar o que é dia e o que é noite
Essa luz estranha que me ofusca mais do que o sol
Me faz errar a direção
Atrapalha minha reprodução, migrações
E até a minha alimentação

Sou uma tartaruga e acabei de nascer
Dentro do ovo fiquei sabendo que teria que seguir uma luz
Mas já não sei a direção, sigo o brilho no céu
Ou a luz colorida da grande construção?

Com essa luz em excesso, que colocam até em árvores para enfeitar
As flores não florescem, plantas fazem fotossíntese em excesso
Pássaros mudam seu percurso em meio à migração
E insetos não conseguem nem voar

Mas o tal humano, que fez essa luz brilhar
Só pensa em furar os olhos
E pensar em que futuro melhor a próxima geração dará.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui