POEMA: Por Artur Gomes fulinaíma

0
101

nathalia osório

II

na des(construção) do corpo

fiz um trato comigo

com os olhos com os ouvidos

com o umbigo

pele por pele dente por dente

músculo por músculo pelo por pelo

medula por medula osso por osso

a sombra de narciso no espelho d´água

nathalia é o nome do desejo

aos pés da porta

entre avencas e amoras

minha flor de pêssego

pitangas mangas carambolas

o cheiro de alfavaca pirandella

juras secretas o livro que ela guardou

entre as costelas no litoral das costas

quânticas

fosse uma cama meu quintal

lençóis seriam folhas de hortelã

desço o dorso como quem desce

o corcovado ou o cristo redentor

soletrando as linhas curvas

do seu corpo como quem olha

a arquitetura de oscar niemeyer

nas dunas do barato em Ipanema

ou na praia do pecado em macaé

com o colírio de batom na boca

e um gosto de mordida na maçã

ouço cecília nos versos

que em sua voz ainda não vieram

mas virá – dizendo

:

meus olhos são duas jabuticabas

que te espreitam selvagens

quando molha minha carne

como quem morde a ostra

na profana saliva da linguagem

Ofício de Poeta

franzir a noite

é o mesmo que bordar o dia

costuro o tempo

com linha de pescar moinhos de vento

entre o franzido e o bordado

escrevo um desenredo

e vou foto.grafando

filmando poesia

na solidão dos meus brinquedos

Artur Gomes Fulinaíma

Baudelíricas Baudeléricas

www.arturgomes.fotografia.blogspot.com

Fulinaíma MultiProjetos
portalfulinaima@gmail.com

(22)99815-1268 – whatsapp

www.goytacity.blogspot.com

EntreVistas

www.arturgumes.blogspot.com

Studio Fulinaíma Produção Audiovisual

https://www.facebook.com/studiofulinaima

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui